Manifesto Editorial!
09:14 | Author: Eli Magalhães
Em 1969 o Departamento de Defesa dos Estados Unidos consegue criar e pôr em prática o projeto que ficou conhecido como ARPANET. Aquilo consistia numa maneira rápida e eficiente do envio de dados e informações necessárias entre bases militares. Ao mesmo tempo, era uma forma de armazenamento segura destas informações que eram passadas em forma de “pacotes” para outros computadores, o que reduzia as chances delas serem destruídas em um eventual ataque.

As bases militares americanas não sofreram ataques suficientemente fortes para testar este sistema de defesa inusitado. Porém, o exército dos Estados Unidos pôde comprovar que sua forma de defesa de informações funcionava quando, curiosamente, os iraquianos copiaram o modelo e utilizaram contra os EUA na Guerra do Golfo, em 1991.

O sistema foi tão aclamado que começou a ser utilizado por Universidades norte-americanas para fins de armazenamento e compartilhamento de dados obtidos através de suas pesquisas. A ARPANET, no entanto, não era suficiente para tanta informação. Nem era seguro, para o Estado americano, ter universitários tão próximos assim de suas informações confidenciais. Então criou-se a MILNET, que ficou em mão dos militares, enquanto a antiga rede passou a servir os fins civis. Em 1983 o protocolo da ARPANET deixa de ser NCP e passa a ser TCP/IP e ela passa a estar mais próxima do que nós conhecemos hoje por INTERNET. A partir de 1989 a linguagem HTML começa a ser desenvolvida e as primeiras páginas a surgir na rede, que se difunde como praga a partir da década de 1990.

Agora dizem por aí que a internet é essa coisa fantástica, capaz de fazer com que as pessoas comuniquem qualquer coisa, com qualquer um, em qualquer lugar e de qualquer lugar. É hora de testarmos isso mais consequentemente. E nada melhor do que fazê-lo de um manguezal, localizado no litoral de Alagoas, Brasil.

O Mangue Wireless é um projeto de página, no formato de Blog, que visa a construção de um espaço de debates e polêmicas acerca da realidade cotidiana desta vida em que, vez ou outra, a lama sobe até a altura dos nossos joelhos ou mais. De uma maneira geral, esta página toma como responsabilidade sua a construção de reflexões sobre o que anda acontecendo com o mundo, fora e dentro do mangue. Na verdade, somos até da opinião de que fora do mangue é possível encontrar mais lama do que dentro.

São em tempos como estes que vemos a necessidade de mergulharmos nossas mãos bem fundo na lama. Por baixo dela deve haver alguma explicação para o fato de que ela esteja tão espalhada ultimamente. Tudo indica que temos mais a ganhar do que perder com isso. E é preciso ter consciência de que duas mãos não são suficientes para tamanho trabalho. Daí a necessidade de construir este blog coletivo.

Alimentemos nossos debates, polêmicas, discussões, richas, conversas de mesa de bar etc. Mas façamos isso, apenas, no sentido de cultivar um objetivo sincero: o de conservar a lama só no Mangue! Ao mesmo tempo, precisamos ir quebrando esta crosta bruta que soterra nosso dia-a-dia, formada por aquela outra lama mais suja, mais fétida e mais difícil de lavar.

Boas-vindas ao Mangue Wireless!
This entry was posted on 09:14 and is filed under , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

4 comentários:

On 23/01/2009 23:44 , Naísia disse...

Isso me lembra OScar Wilde:
"estamos todos na sargeta, mas alguns olhas as estrelas".

 
On 23/01/2009 23:45 , Naísia disse...

"olham", quis dizer...

 
On 24/01/2009 17:34 , Mário Júnior disse...

Observação técnica:

A imagem do caranguejo deste post possuía 558KB, demorando demais para carregar, por isso foi eliminada.

Para quem não a viu ou para quem quiser revê-la, usar o link abaixo:

http://www.harepix.com/images/1960640037.gif

 
On 24/01/2009 22:38 , Eli Magalhães disse...

que bom... ela era muito cafona mesmo :)